positivonegativo

"nós somos o sítio que nos faz falta."

"O que há em mim é sobretudo cansaço -
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço."


Álvaro de Campos

Sábado, 21 de Janeiro de 2012

as bancadas.

as bancadas existiram no meu colégio até ser decidido substituía-las por um grande edifício, um monstro cinzento e plano que matou o único espaço verde que existira até então. as bancadas eram, como todas as bancadas do mundo, compostas por degraus que rodeavam o campo de jogos, e vocês perguntam-me o que tinham as bancadas de especial para merecerem um registo na minha escrita. sem mais demoras, as bancadas eram o sítio de repouso dos fatigados e o espaço de convívio durante o tempo que morre entre as aulas, entre os dias, o local de espera, e era o sítio onde eu me deitava ao sol, quando havia sol, e deixava-me morrer enquanto os alunos estavam fechados nas salas. importante também era o facto de as bancadas possuírem um jardim, que começava no degrau mais alto e acabava nos cantos escondidos do colégio, e era atrás das árvores do jardim das bancadas que os mais novos davam os primeiros beijos e os mais velhos trocavam afectos ofegantes. nunca troquei nada com ninguém atrás das árvores a não ser, talvez, dois dedos de conversa. as bancadas são hoje inexistentes, e o meu espaço de reflexão foi substituído por uma sala de convívio fechada que tem um cheiro hediondo, como se eu já não convivesse o suficiente. das bancadas, fica a memória. do colégio, a réstia de alegria por existir um museu e uma biblioteca onde também se podem fazer trocas, embora eu não troque nada com ninguém a não ser livros e fragmentos de algum conhecimento sonhador.

narmy. às 18:25
| comentar | favoritos
3 :
De Carolina a 21 de Janeiro de 2012 às 22:17
já senti precisamente o mesmo que descreves no texto.

gostei muito :)


De dolcescrittora a 21 de Janeiro de 2012 às 23:46
queria tanto ir hoje! mas vou reconfortar-me na esperança de ter o ano todo para visitar Guimarães. esta e Braga. é uma no de glória e comboios intercidades, pelo menos, o espero, Oh, que orgulho!
No meu caso, querem tapar a vista para o rio de minha casa, com uma ponte gigante, para concluir uma via rápida até Tomar, só porque fica mais barato a enorme ponte, que tapava a minha vista toda (e parece impossível) do que fazer tuneis e uma pequena ponte. odeio-os a todos. Os espaços verdes fazem-nos tanta falta.


De remainameless a 22 de Janeiro de 2012 às 14:55
perfeitamente compreensível; por vezes, colocam um ponto final em coisas que nunca deveriam ter um fim.


comentar