positivonegativo

"nós somos o sítio que nos faz falta."

"O que há em mim é sobretudo cansaço -
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço."


Álvaro de Campos

Sexta-feira, 29 de Junho de 2012

vazio.

(este texto foi escrito às cinco da manhã - daí a falta de coerência - e centra-se em alguém especial sobre quem já aqui falei há algum tempo, uma pessoa inteiramente condenada à miséria.)

 

ó, mundo cruel, que destino é esse o que traças às pessoas, um dia aquela rapariga ficará tão tola que deixará de saber para que serve uma escova de dentes. aparecerá aos seus familiares com o cabelo lavado a detergente, e estes sentirão repulsa e pena, desejando que a leves cedo, que lhes acabes o martírio e lhe ponhas termo à loucura, enquanto que ela, pobre, maluca, não terá a percepção dos desejos mais sujos daqueles a quem mais amou nos tempos de lucidez. deixá-la-ás tão ignorante como quando veio ao mundo, se é que não nascemos e vivemos todos assim, na ignorância. 

soubesse eu o que me estavas a guardar, ó mundo, e voaria até onde me matassem - à holanda, talvez? - pedindo a salvação para esta desgraça. a vida tirou-me até a lucidez para sonhar, então que me leve daqui, que me leve para bem longe, onde as minhas memórias residem, vagueando, e o meu desespero cessa. 

cruel mundo, que condenaste uma pobre aos dezasseis anos, desgraçaste-lhe a vida e despedaçaste-me o que resta da minha paz, das minhas noites tranquilas. um dia deixarei de a ver, não nos tornaremos a falar, e entre uma insónia infinita perguntar-me-ei se ela já está louca, quanto tempo faltará, ou se a loucura chegará realmente, e por entre a noite o meu coração encontrará o dela.

mundo, que condenas os teus amantes ao tormento, levas-me a esperança a cada dia que passa, e um dia de mim só andará o eco, e dela a lembrança, mas dá-me um dia o prazer de realizar os meus mais ínfimos sonhos, e por entre a arte farei dela um nome imortal.

 

narmy. às 13:34
| comentar | favoritos
4 :
De C. a 29 de Junho de 2012 às 18:55
Adoro, adoro sempre o que escreves, a forma como escreves...
Beijinho.


De marlene cerm a 29 de Junho de 2012 às 20:50
pobre menina; quão cruel consegue ser o mundo. se não for demasiado cusco da minha parte, que aconteceu a esta rapariga que aqui mencionas?


De Autumn a 30 de Junho de 2012 às 00:57
este texto não está nada de incoerente.
eu não estava cá na altura o antigo texto, que se passou com a pessoa? se é que, pronto posso saber apesar de não me dizer respeito.


De dolcescrittora a 3 de Julho de 2012 às 02:20
adorei. as madrugadas e a incoerência são as melhores amigas da inspiração e dos bons textos - tenho dito.


comentar